Recolhimento

S/T I

De solidão em solidão

arredio

arremesso o ímpeto do mutismo

à espera de uma voz solidária

que recolha meu perdão

27-11-21

S/T II

Sou a fúria do corpo

e o despojamento da mente

vem

masturbe minha alma

antes do entardecer

27-11-21

S/T III

Choro flores que menti

em espaços que não senti

e de segunda a segunda

regurgito em silêncio

O que não vivi

27-11-21

S/T IV

Fugindo da flacidez do chão

subi com as garras na frondosa árvore

em busca do meu ninho na cavidade do tronco

de onde aquietado e seguro

contemplei a chuva outonal

27-11-21

S/T V

Recolho o que me resta de ardor

depois da paixão

depois da negação

e me dobro como lençol lavado

no guarda-roupa da ilusão

27-11-21

S/T VI

Só me resta

em noites de angústia

uma folha de papel e uma caneta

para esvaziar o que não me concede

o Absoluto

27-11-21

S/T VII

O que será de mim

de meus gritos escritos na penumbra

entre sóis sujos e chuvas contaminadas

se na masmorra da solidão

ninguém os ouve?

27-11-21


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s